12.06.2006

Praça do olhar
Invisíveis, somente nos vimos bem no meio da praça do olhar que não tinha nada além de nós. Mesmo assim, eu disse: estou aqui. Você me vê e eu dou a volta inteira correndo no parque. Paro no mesmo lugar onde você me olha. Dirijo o lado isolado da platéia para as coisas bonitas. Já que é assim, aliás, nós somos assim. Eu posso até me levantar na tua direção enquanto caminhas. Não consigo alcançar, mas estou perto. Mais fácil de me achar é quando como uma banana e se escuta isso. A minha voz fica bem como se viesse mesmo da garganta.

4 comments:

li said...

o meu tic tac didá)tic(o no teclado é apressado,
como se viesse do relógio.

Anonymous said...

ninguém nunca me fez o q vc me fez.
esperei que um dia alguém pudesse fazer aquilo.
mas nao.
ninguém nunca tapa meus olhos nesse momento.
ninguem nunca me pede.

Anonymous said...

e digo mais.
se algum dia me fizerem,
eu vou saber tirar tudo do momento,
porque nunca se sabe quando pode acontecer de novo.
talvez nunca.
pelo menos nunca com tanta naturalidade.

Dona said...

ta, mas quem eh?